domingo, 7 de maio de 2017

Lua Cheia de Maio 2017





Muitos budistas de países asiáticos e de outros lugares estarão realizando em 10 de maio 2017 o Festival Wesak, que celebra o nascimento, iluminação e morte de Siddharta Gautama, o Buddha Shakyamuni. Celebrado de acordo com o calendário lunisolar em diferentes culturas, essa é uma data muito especial para os budistas de todo mundo.

Conhecido no Nepal como "Buddha Jayanti" e coincidindo com a Lua Cheia do mês de maio, a data é celebrada em todo país, mas principalmente em Lumbini - o local de nascimento de Buddha e no Swayambhu - o Templo do Macaco, que é sagrado para os budistas. A porta principal de Swayambhu é aberta apenas no dia de Wesak, quando pessoas de diversas partes do mundo estimuladas pelo evento chegam em todo vale de Katmandu.

Adorado por todos os grupos religiosos, esse dia dedicado a "Buddha Jayanti" é marcado por um feriado público. Muitas doações de alimentos e roupas são enviadas para as pessoas mais pobres, assim como é fornecida ajuda financeira aos mosteiros e escolas onde o budismo é ensinado e praticado.



Vesākha ou Vesak

Vesākha, também conhecido como Vesak, Wesak, Buddha Purnima e Dia Buda, é um dia que os budistas costumam visitar seus templos para cerimônias, que incluem uma decoração apropriada, cerimônias, cânticos, orações e oferendas de velas e flores.

As oferendas possuem importantes simbolismos. As belas flores servem para lembrar que a beleza e a juventude não são eternas. Tudo se altera no decorrer do tempo. E assim como as velas e incensos, também o corpo físico está sujeito à decadência e destruição.

Muitos budistas são naturalmente vegetarianos, mas nesse dia todos são incentivados a consumir apenas vegetais, abstendo-se da carne de qualquer tipo. Em alguns lugares os locais que lidam com bebidas e abatedouros permanecem fechados. Era uma prática comum soltar pássaros e animais domésticos mantidos em cativeiro, o que simboliza um ato de libertação.

Nos últimos anos, devido à consciência ecológica, essa prática tem sido evitada, já que a maioria dos animais domesticados podem não sobreviver na vida selvagem. Outros rituais incluem o banho da estátua de Buddha, o compartilhamento de refeições vegetarianas, bem como ouvir os ensinamentos citados por monges.



Celebração do Vesākha

Alguns budistas costumam permanecer no templo durante o dia inteiro e aproveitam para renovar os oito preceitos, baseados na prática da moralidade, simplicidade e humildade. Os monges recitam versos proferidos pelo Buddha para invocar paz e felicidade para o povo. Devotos budistas são lembrados para viver em harmonia e respeitar as pessoas e suas crenças, como o Buddha ensinou.

Por ser um dia dedicado à solidariedade, as pessoas dedicam esse dia à paz e ao silêncio, assim como abrem seus corações para comprender os outros. Celebrar o Vesākha significa também se esforçar para levar felicidade para os que sofrem, para os idosos, deficientes e os doentes. Assim eles percebem as variadas formas que temos para receber as bênçãos e aproveitar as graças.

É um dia para renunciarmos ao passado e a tudo que seja amargo para a alma. É um momento de alegria, de vestir cores alegres, de buscar a luz, minimizar sofrimentos, aliviar a carga, suavizar julgamentos e repartir o pão. É preciso acreditar que se pode receber as bênçãos para que a imensa paz de Buddha com seus sorrisos, possam chegar até nós junto com o calor do Sol... 



Homenagem a Buddha

A tradição atribui a instrução do próprio Buddha sobre a forma de prestar-lhe homenagem. Pouco antes de morrer, Buddha viu seu fiel atendente Ananda chorando e aconselhou-o a não chorar, mas compreender a lei universal de que todas as coisas compostas devem se desintegrar. Ele aconselhou a todos para não chorar sobre a desintegração do corpo físico, mas a considerar seus ensinamentos, pois só a verdade do Dhamma é eterna e não está sujeita à lei de mudança. 

Buddha enfatizou ainda, que a maneira de prestar homenagem a ele não era apenas lhe fazer oferendas, mas pelo verdadeiro e sincero esforço para seguir seus ensinamentos. E assim é a forma como budistas celebram o Wesak, usando a oportunidade para reiterar sua determinação em viver de modo nobre, desenvolver suas mentes, praticar a bondade amorosa e trazer paz e harmonia para a humanidade.



Bandeirolas tibetanas

Contam os tibetanos que Buddha recitou uma prece, que foi escrita nas bandeiras de batalha entre dois povos. A paz foi logo restabelecida entre eles. Assim a tradição de oferecer bandeiras de oração ao vento foi introduzida no Tibet no século 8 por um de seus discípulos. Tradicionalmente, as bandeiras são erguidas ao ar livre para que as preces sejam levadas e "recitadas" pelo vento por longas distâncias.

O costume nascido no Tibet se espalhou para muitos outros lugares, onde pode-se encontrar bandeirolas de diversas cores esticadas entre dois pontos. À volta dos mosteiros,  em locais sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, ao redor do grande Stupa em Bodhnath e mesmo junto de habitações, as bandeirolas desfraldadas ao vento são acompanhadas de orações.




A prática não é uma superstição e nem as bandeiras são talismãs. O Budismo debruça-se sobre a natureza e o funcionamento dos fenômenos. Com base na lei do karma, os fenômenos manifestam-se de um modo totalmente interdependente. Imprimir textos sagrados com uma intenção pura é uma fonte de energia positiva, que produz naturalmente efeitos benéficos.

Colocadas num lugar alto para que possam ser sacudidas pelo vento, as bandeiras de orações também podem ser usadas em  outras ocasiões especiais. O vento que entra em contato com as bandeiras é o mesmo ar que respiramos e o oxigênio que se dissolve em nosso sangue. Em contato com os símbolos sagrados, espalha por toda a parte os nossos votos para o bem e para a felicidade temporal e última de todos os seres, criando assim um vasto campo positivo, que funciona como uma medicina suave.

Misturando cinco cores, as bandeirolas são nas cores azul, branco, vermelho, verde e amarelo, que simbolizam o espaço, o céu,  o ar, o vento, as nuvens, o fogo, a água, a natureza e a terra. Elas visam trazer a energia da vidam a boa sorte e as boas oportunidades. Também são impressos vários símbolos, entre eles o cavalo do vento - Lung Tag -  que representa a boa sorte. Quando os cavalos de vento tremulam com o vento, as preces e mantras são carregados pelo vento na direção do céu, levando a intenção de beneficiar todos os seres...


Lung Ta / Cavalo de vento

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores